Compreendendo um teste de paternidade

resumo: Compreendendo os resultados de um teste de paternidade e o que significam os números presentes na tabela. Também é abordado a importância do número de marcadores genéticos e formas práticas e simples para compreender todo o relatório de paternidade.

O relatório detalhado do teste de paternidade contém termos científicos e legais para descrever o processo altamente preciso e os seus resultados. Neste artigo encontrará um resumo das diferentes seções do relatório do teste de paternidade e o que elas significam para si.

Compreender o relatório dos resultados do teste de paternidade.

O relatório dos resultados do teste de paternidade, se optar pelos serviços da Código ADN contém as seguintes seções principais, com cada uma exibindo informações importantes.

  • Descrição da tecnologia utilizada/ kit de ADN;
  • Tabela do sistema genético (tabela de tamanhos dos alelos) – Perfis de ADN;
  • Probabilidade de Paternidade;
  • Conclusões do teste.

Resultados dos testes de paternidade: Perfis de ADN

Os laboratórios testam pelo menos 24 «sistemas» marcadores genéticos diferentes no seu ADN, conforme listado na coluna “Sistemas” e compara-os entre os intervenientes no exame.  É importante ter em atenção o número de marcadores genéticos no teste de paternidade, pois por vezes 16 ou 20 marcadores genéticos podem não ser o suficiente para concluir o exame de paternidade.

Cada criança herda uma cópia desse segmento do ADN da mãe e uma cópia do pai.

Esses segmentos de ADN são chamados de “alelos”.

A tecnologia determina o comprimento dos alelos de cada participante e compara-os com os comprimentos dos alelos do suposto pai para determinar o número de correspondências.

eletroferograma de um teste de paternidade

Como se verifica acima, o resultado de uma amplificação de uma amostra de ADN de um teste de paternidade é devolvido tecnologicamente de forma gráfica. Nesta tira, que foi cortada de forma a ser mais fácil para o leitor compreender.

Acima podemos verificar a tecnologia utilizada na extração do perfil genético, neste caso foi a promega 21 (21 sistemas analisados).

Por sua vez, também é possível verificar o sexo do perfil genético extraído, o nome dos sistemas ou marcadores genéticos e a sua quantificação.

Regressando à imagem acima, podemos verificar por exemplo que para o sistema D13S317, assinalado a vermelho, a repetição dos alelos são 11 e 12.

Repare que cada sistema tem sempre dois alelos.

Similarmente é possível fazer o mesmo exercício para todos os marcadores presentes.

Neste caso a tabela seria construída da seguinte forma:

  • Amelogenina (AM) –  X,Y -> perfil de ADN masculino
  • D3S1358 (16 , 18)
  • D1S1656 (15.3 , 17)
  • D1S1043 (12 , 18)
  • D13S317 (11 , 12)

Acima é possível verificar como é construída a tabela dos alelos para cada interveniente no resultado do teste de paternidade.

Se a mãe participar, os alelos da mãe também serão comparados. Na imagem abaixo, a criança tem dois conjuntos de alelos em cada marcador, assim como o suposto pai.

Para a interpretação da tabela abaixo, pode-se verificar que a criança tem uma correspondência em todos os alelos com o suposto pai em teste, logo pode-se concluir que o pai é o pai biológico da criança;

Nota: nos sistema que aparece um local em branco, deve ler-se uma repetição, por exemplo, no primeiro sistema D3S1358 para a criança apenas aparece um 16, na realidade no gráfico saído, como o mostrado acima apareceram dois picos sobrepostos, ou seja, D3S1358 (16,16), pode-se fazer a representação das duas formas.

  • D3S1358 (16,16) ou,
  • D3S1358 (16)

 

Nota: As marcações coloridas são apenas para fins ilustrativos e não estão incluídas nos relatórios reais.

Usando estatísticas, o Índice de Paternidade (listado como PI na tabela no canto superior esquerdo) indica a força da correspondência em cada sistema (localização do ADN).

Na maioria dos casos, pelo menos um dos alelos da criança em cada local deve corresponder a um dos pais naquele local.

Além disso, é sempre verificado o sexo de cada participante (masculino ou feminino), chamado Amelogenina (AM), também é testada.

Este sistema é representado por letras (X,Y) em vez de números. Um X ou dois X significa feminino, enquanto um X e um Y significa masculino.

  • AM (X,Y) – masculino;
  • AM (X) ou AM (X,X) – feminino.

Para saber mais, consulte o artigo fundamentos do cálculo da probabilidade de paternidade.

Como ter a certeza de que o resultado do teste de paternidade foi emitido corretamente?

Pode fazer este trabalho com pouco esforço. Mas nem sempre uma parte técnica bem feita corresponde a um resultado 100% confiável, pode ler mais sobre como a experiência do laboratório é muito importante, em um caso da emissão de um resultado de um teste de paternidade errado.

Um teste de paternidade não é apenas obter um gráfico, converter numa tabela e verificar se existe correspondência em cada alelo.

Leia o artigo que recomendamos acima, para ver como a inexperiência de um laboratório se transformou na emissão de um resultado negativo – de exclusão do suposto pai, quando na realidade, tal exclusão não poderia ser realizada, pois as incompatibilidades tratavam-se de mutações genéticas.

Regressado à questão central, para verificar se existe correspondência no seu exame deve analisar cada sistema independentemente, cada linha, deve ter um alelo igual tanto no suposto filho como no alegado pai.

Para um entendimento claro sobre como ler a tabela e a herança dos alelos pode sempre ler o artigo: Como ler os resultados de um teste de paternidade , neste artigo vamos mesmo a fundo de como ler os números linha a linha, de forma a que o leitor consiga entender a herança genética de cada alélo.

Quando os testes de paternidade envolvem familiares diretos.

Às vezes, podem ser testados mais sistemas no seu ADN para aumentar a fiabilidade dos resultados – por exemplo, quando dois possíveis pais são parentes.

Nesse caso, os sistemas também são mostrados a seguir aos 24 sistemas standard.

É normal, quando os exames envolvem familiares haver o mapeamento do cromossoma X ou do cromossoma Y, acrescentando, pelo menos, mais 12 haplótipos.

Os laboratórios que investem nesta área também têm à sua disposição mais kits de diferentes configurações de forma a aumentar os sistemas autossómicos de forma gradual, por exemplo, o teste de paternidade premium tem 33 marcadores genéticos, mas para se chegar a este número utiliza-se duas tecnologias diferentes, uma tecnologia com 24 marcadores genéticos e um tecnologia diferente com 10 marcadores genéticos;

O total de marcadores não é de 34, mas sim de 33, porque o dois kits tem um sistema em comum.

Resultados do Teste de Paternidade: Índice de Paternidade Combinado

Nota: apenas presente em alguns relatórios.

O índice de paternidade combinada é o número no lado inferior esquerdo do relatório (na seção Interpretação), diretamente abaixo da tabela do sistema genético. Este número é usado para chegar à probabilidade de paternidade.

Se o suposto pai em teste é considerado o pai biológico, existe um número diferente de zero para o Índice de Paternidade Combinado.

Se não é considerado o pai biológico, o relatório mostra “0” (zero).

O Índice de Paternidade Combinado é uma razão de probabilidade que indica quantas vezes mais provável o pai testado tem em ser o pai biológico da criança, do que outro qualquer homem não relacionado selecionado aleatoriamente de uma base de dados mundial com especial atenção na origem étnica.

No exemplo acima, este individuo tem 533 475 vezes mais probabilidade de ser o pai biológico da criança que qualquer outro homem da raça caucasiana. Este número varia de perfil de adn para perfil de ADN.

Quanto maior este número IP (índice de paternidade combinado), mais fortes são os resultados.

Resultados do Teste de Paternidade: Conclusões do Teste

O relatório mostra uma de duas conclusões: “não é excluído como o pai biológico” ou “é excluído como o pai biológico”.

Se a conclusão é: “não está excluído como o pai biológico“, isto significa que o possível pai é o pai biológico da criança, uma vez que todos os dados mostrados no relatório do teste de paternidade sustentam uma relação de paternidade.

Se a conclusão é: “está excluído como o pai biológico”, isto significa que o possível pai NÃO É o pai biológico da criança, pois todos os dados mostrados no relatório não sustentam uma relação de paternidade.

perguntas frequentes sobre os resultados do teste de paternidade

P: No meu relatório aparece uma mutação genética, uma incompatibilidade num único sistema, mas a probabilidade de paternidade é superior a 99,9%. os resultados estão corretos?

R: É possível que haja uma mutação no sistema genético da criança ou do possível pai nesse local.

Os analistas levam em consideração as mutações ao fazer os cálculos e chegar a conclusões.

Portanto, mesmo que haja uma incompatibilidade, o homem ainda pode ser considerado o pai biológico da criança testada.

P: Os resultados dos testes de paternidade podem estar errados?

R: Os laboratórios parceiros da Código ADN processam cada amostra duas vezes, por uma equipe separada de geneticistas, para eliminar a possibilidade de erro humano. Assim garante resultados extremamente precisos.

Se os resultados dizem que o suposto pai é “excluído”, isto significa que não há probabilidade de que a pessoa seja o pai biológico, com base na análise de ADN.

Se os resultados mostram que o pai “não está excluído”, isso significa que há quase 100% de probabilidade de que a pessoa seja o pai biológico – no exemplo acima, uma probabilidade de 99,99998%.

No entanto, se os possíveis pais forem parentes próximos, como irmãos, é importante informar o laboratório que os dois possíveis pais são parentes. Logo antes de enviar as amostras, ou mesmo na ficha de cliente, escreva essa informação. Devem ser realizados testes adicionais para aumentar a precisão nesta situação.

P: A probabilidade de paternidade pode ser 100%?

R: Não. Os resultados dos testes de ADN são todos baseados em estatísticas.

De forma simples, para obter uma probabilidade de 100%, teríamos que testar todos os homens do mundo com uma origem étnica semelhante à do suposto pai que está a ser testado.

E por razões óbvias, isso não é possível.

Em suma,

Interpretar um resultado de um teste de paternidade não é difícil, mas também não é seu dever fazê-lo, se tem dúvidas ligue com quem lhe executou o exame de ADN e peça ajuda na sua interpretação.

A parte mais importante para si é a conclusão onde está escrito se é o pai ou não da criança.

Se pretende ler os resultados do teste de paternidade em menos de 2 segundos, basta procurar a secção probabilidade de paternidade: um número superior a 99,99% é o pai biológico da criança, um número igual a zero, ou ausência de percentagem, não é o pai biológico da criança.

Atenção: Consulte sempre fontes independentes. Se detetar algum erro ou alguma imprecisão no decorrer da leitura, por favor envie-nos um email para [email protected], com o relato.

Leave a reply