Casos de super-fecundação (testes de adn na gravidez).

resumo

Gravidez gemelar, mas com pais diferentes.
Não é estranho para nós ouvirmos falar de meios-irmãos, tanto do lado paternal como do lado maternal. Todos sabemos que podemos ter pais diferentes, e o termo aceite na nossa sociedade para descrever o nível de parentesco é meio-irmãos/ irmã.

E os gêmeos, podem ser meios irmãos?

Sim, de facto pode acontecer. É raro, mas é possível. Um caso que foi muito noticiado, foi o caso de paternidade em Nova Jersey, E.U.A. no ano de 2015, em que a mãe dos gémeos iniciou uma Acão legal em tribunal afim de pedir a pensão de alimentos que tem direito para os seus filhos. Contudo, o suposto pai dos gémeos, de uma forma inesperada pediu um teste de adn, alegando que, – não era o pai dos bebés.

Seria uma história e um caso normal, não fosse o resultado do teste de adn, intrigante!

O resultado: O pai é de facto o pai biológico, mas apenas de uma das criança, o exame de adn do outro gémeo em teste deu negativo. Ou seja, os “gémeos” são meios-irmãos. Partilham a mesma mãe, até a mesma hora de nascimento, dia e ano, mas têm pais diferentes.

Biologicamente como é que é possível acontecer.

De forma muito simples, o que acontece é que os dois óvulos da mesma mulher são fertilizados por dois pais diferentes, dentro do mesmo período de ovulação. A fecundação, ou super-fecundação pode acorrer em dias distintos, desde que no período de ovulação.

A super-fecundação existe no nosso dia-a-dia, mas não estamos conscientes para esse facto. O exemplo mais concreto que existe no dia-a-dia são os animais. E ainda mais concreto os animais domésticos, por exemplo – o Cão.

Quando as cadelas estão em ovulação produzem vários óvulos, os cães presentes do momento e com o cio tentam acasalar com a cadela, acontecendo o acasalamento faz com que cada óvulo seja fecundado por um cão diferente. Por isso, é que numa ninhada é possível encontrar cães que não são nada parecidos! Isto porque existiu um caso de super-fecundação, ou seja, na realidade aqueles cães são meios-irmãos.

Voltando ao caso de paternidade, do ano de 2015 do estado de novo jersey, em tribunal a mulher acabou por revelar que tinha dormido com um homem diferente uma semana depois de ter engravidado pela primeira vez! – Repare que existiu uma super-fecundação passado 1 semana após a primeira fecundação.

Gémeos bi-paternos – Casos reais

Em Portugal não existem estatísticas para podermos acompanhar, pelo número de gravidez gemelares que ocorreram em Portugal, também seria certamente uma amostra muito pequena para podermos entender o alcance da super-fecundação. Mas fazendo o paralelo com uma população maior, e aqui utilizamos os E.U.A. devido a existir a contagem destes casos a nível jurídico, os números mostram que 1 em cada 400 gémeos fraternos, na realidade os gémeos são bi-paternais. (ou seja, na realidade os gémeos são meios-irmãos).

Em conclusão, o Juiz, decidiu que o pai apenas teria que entregar metade da pensão alimentícia à mãe, visto que apenas era o pai biológico de um dos gémeos.

Claro que estes casos são raros nos seres humanos. Apesar de no reino animal estar sempre a acontecer, em termos biológicos não é nada de “incomum”, é mais um tabu sociocultural do que uma imperfeição genética.

Conclusão

Ao vermos gémeos, não se pode logo concluir que são um caso de super-fecundação por serem completamente diferentes fisicamente, porque o mesmo acontece a crianças que são filhos do mesmo pai e da mesma mãe, mas com idades diferentes.

Na dúvida o melhor é fazer um teste de paternidade. Até ao momento não existe exame mais fiável que o teste de ADN. O teste de paternidade terá que ser feito sempre e após o nascimento das crianças, pois a tecnologia do exame pré-natal não invasivo (durante a gravidez), não permite detetar super-fecundações.

Veja aqui mais informações sobre o teste de paternidade >>

Leave a reply