Testes de Paternidade Pré-Natal - 3 Opções para realizar ( Teste de Paternidade durante a Gravidez).

resumo

Imagine que é uma mulher com um relacionamento sério. O pior acontece e é violada, ou existe um deslize extraconjungal momentâneo, surge uma Gravidez. Quais são as suas opções? Como pode ter a certeza de quem é o PAI? O meu companheiro precisa de saber a verdade? Descubra as suas opções no nosso artigo.

Um teste de ADN dá as respostas iniciais.

Desde o ano de 2008 que já e possível realizar testes de paternidade pré-natal (durante a gravidez) para estabelecer a paternidade antes que a criança nasça. Desde que o ADN do bebé é definido na conceção, a realização de teste de paternidade durante a gravidez é tão preciso quanto um teste de ADN após o nascimento da criança.

De igual forma, seja um teste de paternidade realizado após o nascimento da criança ou antes do nascimento da criança, estes testes comparam o ADN do bebé com o do alegado pai. O laboratório exige sempre, sem exceção que a mãe também seja testada nos testes de paternidade durante a gravidez.

Isto, porque uma amostra pré-natal, contém células da mãe e da criança. Então o laboratório precisa “distinguir” separar o ADN da mãe e o ADN do bebé.

Como são feitas as colheitas de ADN?

Claro que a mãe também tem que participar no procedimento de colheita das amostras do ADN do bebé. Na maioria dos casos, um obstetra / ginecologista realizará um dos dois procedimentos a seguir, dependendo do estágio da gravidez:

1. Amostragem de Villi Coriônica (CVS) (A códigoADN não realiza este tipo de exame).

Durante a 10ª a 13ª semana de gravidez, o seu médico pode colher uma pequena amostra de “vilosidades coriónicas” da parede do útero. Estes pedaços de tecido parecidos com dedos e o feto vêm do mesmo óvulo fertilizado e têm a mesma constituição genética. O procedimento usa uma agulha ou tubo fino inserido na vagina ou na parede abdominal.

2. Amniocentese ( A CódigoADN não realiza este tipo de exame)

Durante a 14ª a 24ª semana de gravidez, o médico pode colher uma amostra de líquido amniótico. Este fluido, encontrado no saco que envolve o feto em desenvolvimento, contém células fetais que podem ser usadas para análise de ADN. O médico irá inserir uma agulha fina através do abdômen no útero.

Riscos a considerar nos exames anteriores.

Ambos os testes de paternidade pré-natal usam um ultra-som para guiar a agulha. No entanto, ambos os procedimentos são invasivos e os riscos são vários, desde: infeção, aborto espontâneo e efeitos colaterais para a mãe. Muitos médicos não farão estes testes apenas por motivos de paternidade, devido ao risco que acarretam. Apenas verificarão a paternidade se a mãe precisar dos testes para outros problemas de saúde. Todas as mães devem consultar o seu Obstetra / Ginecologista para mais informações sobre os riscos envolvidos.

Colheita de Amostra de ADN do(s) possível(eis) Pai(s)

As amostras de ADN da mãe e do suposto pai podem ser colhidas através de uma Zaragatoa “bucal” é indolor e não invasivo. Este material de polímero que pode ser ducrón ou algodão é esfregado contra o interior da boca para recolher as células da bochecha, o importante são as células e não a saliva.

3. Teste de Paternidade Pré-Natal Não Invasivo (A CódigoADN é o único laboratório a realizar este exame em Portugal)

A última opção é um teste “Pré-Natal não invasivo” que evita os riscos inerentes aos outros dois procedimentos. Pois este procedimento apenas envolve a colheita de ADN de Sangue na Mãe, como de umas análises clínicas se tratasse. O laboratório posteriormente conseguirá colher uma amostra do bebé através do sangue da mãe.

Este teste pode ser realizado a qualquer momento a partir da 9 ª semana de gravidez efetiva. Veja aqui como efetuar a contagem.

Esta abordagem é possível porque uma variedade de células do feto atravessa a placenta e “infiltrasse” no sangue da mãe. O laboratório compara o ADN fetal com o ADN da mãe para determinar quais marcadores que não são iguais, logo esses marcadores genéticos têm origem no pai biológico. Em seguida, verificam o ADN do suposto pai para ver se os marcadores paternos correspondem aos marcadores encontrados na corrente sanguínea.

Conclusão

É importante lembrar que está em "jogo" a vida de uma criança. Contudo o Pais têm de ter a certeza do passo que estão a dar. Antigamente na dúvida o aborto era a solução, actualmente a solução é baseada nos teste de adn pré-natais, é possível aferir a filiação biológica sem qualquer risco para o bebé e para a mãe a partir da 8ª semana de gestação.

Veja aqui mais informações sobre o teste de paternidade ADN durante a gravidez >>

Leave a reply